quarta-feira, 16 de abril de 2014

disfarce (da série: é preciso ter coragem)

mesmo que me escondesse
no canto mais recôndito do universo,
as sensações que sinto
e os sentimentos que abrigo
continuariam comigo.
por isso não adianta me esconder.
não de mim.
posso usar a máscara que quiser
pra mostrar as faces de mulher
com que me ornei neste tempo/espaço,
mas se mais quiser fazer
no sentido de me des.dizer,
só farei de mim mesma um palhaço.
palhaço não no riso mas no siso.
e é por isso que, a despeito de,
escolho olhar no meu olho
e não negar a minha face.
nisso nem preciso de espelho:
o outro me devolve sempre bem,
e perfeito,
aquilo que em mim
tenho de melhor
e de disfarce.

terça-feira, 15 de abril de 2014

da série: recortes do cotidiano

o picolezeiro, feliz por ter parado,

diz:

tem de cajá, goiaba, chocolate, morango, abacaxi...

e o menino, danado:

tem de limão?

não...

responde o pobre desolado.

segunda-feira, 14 de abril de 2014

citação (da série: mapas da alma)

"encontrei hoje em ruas, separadamente, dois amigos meus que se haviam zangado um com o outro. cada um me contou a narrativa de por que se haviam zangado. cada um me disse a verdade. cada um me contou as suas razões. ambos tinham razão. ambos tinham toda a razão. não era que um via uma coisa e outro outra, ou que um via um lado das coisas e outro um lado diferente. não: cada um via as coisas exatamente como se haviam passado, cada um as via com um critério idêntico ao do outro, mas cada um via uma coisa diferente, e cada um, portanto, tinha razão.
fiquei confuso desta dupla existência da verdade."
(fernando pessoa in: obra poética)

quarta-feira, 2 de abril de 2014

da série: é preciso coragem de ser

nisso do que chamamos de amor,
às vezes parece que a pessoa quer
que você sofra.
não basta superar a dor,
não basta ressignificar o luto,
não basta relativizar tudo:
não, a pessoa quer que você sofra.

como uma maldição.

e eu, pois,
quebro com a maldição!
reafirmo meu direito a ser feliz
com/sem e a despeito de todo não.

e mais do que ser feliz,
eu me dou o prazer 
e a bênção,
de não desejar senão o bem
a quem o bem eu sempre quis!


citação (da série: mapas da alma)

se tu saíres, deus entrará.

(mestre eckhart)

segunda-feira, 31 de março de 2014

domingo, 30 de março de 2014

da série: bem maior é a imensidão!...

acordei neste domingo com uma saudade imensa!
até sonhei com uma branca, que me abraçava uma e duas e outra vez,
pra também matar a saudade de mim...
e escutei canções antigas
e de amigos e amigas que não estão mais aqui.
e senti saudade, mais do que do vivido,
do que pode ser.
e vi a luz de novo
aparecer.
e porque o tempo fez-se chuva,
a minha saudade encontrou lugar
nesta manhã de domingo na tianguá.
e porque de companhia eu só tinha
o andarilho jesus,
a saudade se achegou sem medo
de nada que pudesse a afugentar.