segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

canções-surpresa (da série: "contos de parar o tempo")

(― bênça, vó!)
como era possível escutar isso nem bem o filho tinha nascido? mas foi assim. sempre. uma escuta anterior daquilo que nem se adivinha. e, se se adivinha, nem se acredita saber. pois com o neto fora assim. chegara muito antes do tempo. falara ainda quando nem tinha voz.
agora era já um presente, desses que irrefutável. entrava, saía. se danava. menino como nunca fora o seu: de meter o dedo em tomada, de correr com os gatos, de rasgar as folhas das plantas. e em tudo isso ela de novo via o que ninguém podia imaginar, achando só que ela era permissiva: o homem feito, firme sobre seus próprios pés.
mas como explicar?
porque pra ela tinha os estudos, claro. tinha a solidão que sempre a acompanhara. tinha agora a própria mania de escutar o que não se diz e ver o que não é luz. e pra quem acredita que o sujeito é só aquilo que parece ser? difícil. de todo modo, tentava. aparava os feitos do pequeno, intermediava, dava a cara a tapa – sabendo que um dia, assim como o ouvira tão logo parira o filho, se veria que toda malcriação é uma forma de adaptação ao mundo.
e que mundo! tudo tão cercado de mistério mas tão prenhe de rudeza... esperava estar sempre por perto pra, quando ele precisasse, acudir. porque gente adulta é séria demais, dura demais, rígida demais pra ver nas danações um recado dos céus.
como mediação, pra não ter raiva do que não deve ter, se recorda: teve um tempo em que ela também endurecera. longo tempo, em que só cria naquilo que via, enquanto tudo em redor gritava em cores, em sons, em atos que ela simplesmente não sabia ler. até que tombou – e foi tão grande a queda, que acordou. desde então percebe. e pensa. e porque pensa não como um acaso mas de modo desejado (o que é o mesmo que dizer: de modo pensado), sabe. não dá conta de mensurar o que essa forma de ser lhe custou, mas agradece e vai.
por isso não lhe pesa a vida. o neto, nisso tudo, é quase um lenitivo. naquilo que o seu entorno vê uma carga, ela percebe a beleza. tem olhos outros? não, os seus são bem comuns. desde, porém, que se descobriu não mais dona nem da verdade nem de coisa alguma, foi uma libertação: podia acertar como podia errar, eita coisa boa! eita coisa humana! não era deus nem deusa: podia só ser. e se experimentar. daí que resolveu, como quando era jovem, crer. e crer, quando não se tem costume, pode dar muito trabalho. mas ela sempre teve muito trabalho! então crer agora era de uma leveza que só mesmo quem comeu o pão que o d. amassou pode saber. saber de sabor. sabor de labor. labor de amor – porque no fundo é tudo um só exercício.
ah, mas e o menino? crescia. agora mesmo o pôs pra dormir, enquanto ele lhe punha à prova: você só sabe cantar essa música? não, sei um monte. ― pois cante outra. cante uma surpresa. provocadorzinho, ainda por cima. e ela, como quem embala não apenas um menino, a desfiar canções-surpresa como se o equilíbrio do universo disso dependesse: grave como um poeta, solta como a própria poesia.

(a proposta dos "contos de parar o tempo" é a de um conto por mês - e tem como referência, ou como inspiração, a proposta do blog duas tábuas, de lívia soares, de um vídeo por dia em 2016. é bem menos do que ela faz, mas é do que dou conta - rs. este primeiro é o do mês de janeiro - sob o sol já em aquário.)

domingo, 17 de janeiro de 2016

de uma noite de domingo em meio à qual (da série: o amor e a calma nos guiarão)

quanto pode o amor!


às vezes só me sento e contemplo,


mas sinto em mim -


mais que o tempo


e o que vejo -


o mundo inteiro.







sábado, 9 de janeiro de 2016

citação (da série: o amor e a calma nos guiarão)

Cheguei à terrível conclusão de que sou o elemento decisivo.
É a minha abordagem que cria o clima.
É o meu humor diário que faz o tempo.
Possuo o tremendo poder de tornar a vida miserável ou prazerosa.
Posso ser uma ferramenta de tortura ou um instrumento de inspiração;
posso humilhar ou ter humor, machucar ou curar;
Em todas as situações, é a minha resposta que decide se uma crise escala ou desescala, se uma pessoa é humanizada ou desumanizada.
Se tratamos as pessoas como elas são, nós as tornamos piores.
Se tratamos as pessoas como elas deveriam ser, nós as ajudamos a se tornar o que elas são capazes de se tornar.” 
(Johann Wolfgang von Goethe) 

 

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

consigna de 2016

disse o preto velho:
"a gente planta o que colhe"
ao invés de
"a gente colhe o que planta".
e é com esse enigma 
que adentro o ano.
sem muitos planos,
mas com confiança tanta.
talvez como quem se recolhe -
mas não se encolhe, se adianta.
e de onde quer que eu veja,
possa também como quem preveja,
retificar o que eu mesma já disse:
"a cada um conforme o que deseja
- e o que aguenta".
porque o que a gente tenta
tenta 
tenta
uma hora passa de madeira solta
a ser o banco
onde a gente
senta. 
oxalá!


terça-feira, 22 de dezembro de 2015

o que o olhar respira (da série: é preciso estar à altura da infância)



o que olha o menino
quando mira o infinito?
o que olha o menino
que traz atrás de si o próprio mito?
o que olha o menino?...
o que mira?...

ah, poder saber
o que esse olhar respira!

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

citação (da série: é preciso saber ver pra poder ver)



“Se estivermos vigilantes, não passará um só dia sem que aconteça um milagre em nossa vida. Podemos inverter esta proposição, dizendo que, caso não nos aconteça um milagre em qualquer dia de nossa vida, será simplesmente porque o teremos perdido de vista.”
Rudolf Steiner

terça-feira, 24 de novembro de 2015

cabelo...capim (da série: é preciso ter coragem)

Cortei meu cabelo
como quem tira toda
a grama de um jardim.

Mas ele teima em crescer:
o cabelo em mim
é como na terra
o capim.